Friday Share #25

Descanse e seja grato.

William Wordsworth
Poeta que iniciou o Período Romântico na literatura inglesa – Inglaterra (1770 – 1850)

Nota importante: normalmente eu seleciono textos em outras línguas (quase sempre inglês), e devido à falta de tempo, recorro ao Google Translate. Peço desculpas se alguns ficam esquisitos, mas se você fala a língua do texto original, recomendo entrar no link indicado. Obrigado!

Continue reading “Friday Share #25”

Friday Share #24

Toda profissão é sacerdócio ou comércio, segundo seja exercida pelo altruísmo ou egoísmo.

Henrique José de Souza
Fundador da Sociedade Brasileira de Eubiose – Brasil (1883 – 1963)

Nota importante: normalmente eu seleciono textos em outras línguas (quase sempre inglês), e devido à falta de tempo, recorro ao Google Translate. Peço desculpas se alguns ficam esquisitos, mas se você fala a língua do texto original, recomendo entrar no link indicado. Obrigado!

Continue reading “Friday Share #24”

Educação 

​Mais uma vez, uma médica joga na cara dos pacientes os 30 anos de experiência dela (esse é algum número mágico?) pra prestar um serviço de baixa qualidade.

Em 30 anos de vida eu aprendi a ser educado, e saí da sala antes de responder. Talvez seja hora de tanto ela quanto eu desaprendermos algumas coisas.

Serviço

Pela minha experiência recente, obstetras e pediatras têm ou medo, ou preguiça, ou ganância. Seja como for, tenho sentido uma pasteurização no serviço, de modo que o relacionamento fica em segundo plano. O resultado disso é não só uma queda no valor percebido por quem contrata os serviços (nesse caso, os pais), mas uma disseminação de uma cultura também pasteurizada.

Continue reading “Serviço”

Limites

[Nota: esse post é uma re-edição; por falha minha, ele saiu da timeline.]

Quem é você? Se você respondeu essa pergunta sem pensar muito, aqui vai um desafio interessante: tente se apresentar sem usar sua memória. Vamos ver como seria isso. Meu nome é – não, seu nome é memória –e tenho – números e tempo também são memória. Sou formado em – também não pode. Moro em (memória), trabalho como (não), e faço (não, não, e também não). Gosto de (não pode) e, nos fins de semana, (também não). Meus livros e filmes favoritos são (nenhum deles pode), e meus planos pros próximos anos são (planos pro futuro também são memória e, portanto, não pode).

E aí? Conseguiu?

. Continue reading “Limites”

Os momentos em que somos inteiros

[Nota: esse post é uma re-edição; por falha minha, ele saiu da timeline.]

Era de noite – não muito tarde, mas o suficiente pras ruas do centro estarem quase desertas – fazendo com que caminhar por baixo dos toldos para escapar da chuva gelada de Curitiba fosse relativamente fácil. Estava distraído, ouvindo um audiolivro, quando trombei forte, de frente com alguém. No instante que tive para entender o que tinha acontecido, ele já estava gritando e ameaçando um soco.

Continue reading “Os momentos em que somos inteiros”

Mais três dias

Tive retornos interessantes sobre minhas interpretações do koan Lama na Estrada (se você não viu, pode ver aqui e aqui), e me perguntaram sobre as leituras de outros. Vou tentar fazer isso toda semana, normalmente sobre o koan do Friday Share. O da semana passada foi “Mais três dias” (se você não viu, veja aqui). E gostaria muito de ver as interpretações de vocês nos comentários!

Continue reading “Mais três dias”